da chuva

faz chuva. os guarda-chuvas atrapalham-se em curvas e contracurvas. o metro a tempo, os passageiros não. correm contra a chuva, contra o vento, sacodem água das capas, cospem os cachecóis da cara. abrem a carteira, voam papéis, voa o andante. validam o cartão, validam a viagem até ao resto do dia. a chuva não pára, o vento também não. a esperança estanca de uma ponta à outra ponta do dia. os sonhos páram – um instante – entre a respiração da manhã e a respiração da noite. caem pingos de lágrimas ao ritmo da chuva. há um hiato. um espaço de 8 horas que são um segundo. todos jogamos ao macaco chinês. quando abrimos os olhos com mau hálito ao momento em que lavamos os dentes e fechamos os olhos. entre uma coisa e outra somos estátuas, à espera da noiva-esperança, dos sonhos. à espera – que alguém diga macaco-chinês.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em chuva, Sem categoria com as etiquetas , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s