Arquivo da Categoria: Sem categoria

Até à essência –

Amar-te até ao fundo de ti. Não quero dizer até aos teus ossos, Não, Nada disso. Amar-te ao fundo de ti Onde tu, És invisível, Ao mesmo tempo virginal. Até ao fundo de onde não estás, Fisicamente, Digo. Quero perfurar … Continuar a ler

Publicado em Sem categoria | Publicar um comentário

‘Bom passeio a Fátima’

Onde deixaram as vossas crianças hoje? Puseram-nas em peregrinação até ao santuário de Fátima? Ficaram com avós que se predispõem a tudo? Faltaram ao trabalho (no privado, claro)? Ontem as funcionárias da escola pública alongavam um sorriso de lés a lés … Continuar a ler

Publicado em Sem categoria | Publicar um comentário

O sol pinga nas janelas sujas do metro

O sol pinga nas janelas sujas do metro. É Páscoa deviam esfregar isto tudo. Vai a bailar a empregada de limpeza com o balde numa mão e a esfregona na outra, agarrada ao varão, e os olhos agarrados ao vidro … Continuar a ler

Publicado em mulher, Páscoa, Sem categoria | Etiquetas , , | Publicar um comentário

No desgaste do dia

Há uma pequena que me fita o olho já no desgaste do dia. Será que me tenta adivinhar os sonhos? Eu tento adivinhar os dela. Quer ser mãe e ter filhos, muitos – quando crescer. Depois quer ser médica, ao … Continuar a ler

Publicado em criança, Sem categoria | Etiquetas , , , | Publicar um comentário

Os rostos cansados pelo metro

As caras estão gastas e logo de manhã. Maquilhagem forçada nas mulheres que acordam cedo-ainda-antes-do-cedo com este propósito. Homens com olhos ainda arrepiados com a primeira água do dia. O que faz isto a estes rostos sem cor? O tempo … Continuar a ler

Publicado em Sem categoria | 2 Comentários

O sol comido pelo relógio.

A mudança de hora mudou o desenho nas caras das pessoas. Agora escurece mais cedo, e os sorrisos também recolhem mais cedo: parece-me. A luz acende mais cedo dentro da carruagem e os bocejos crescem, pois apesar do relógio ainda … Continuar a ler

Publicado em Sem categoria | Publicar um comentário

Das línguas e das cores

há um grupo de pessoas que se apodera do quadro com as informações sobre horários e zonas no metro. falam alto. ainda não os tinha visto da escada rolante e já imaginava o cenário: espanhóis, histéricos. aproximei-me do quadro, porque … Continuar a ler

Publicado em estrangeiros, Sem categoria | Etiquetas , , , | Publicar um comentário

Dos livros

Na carruagem do metro que eu escolho vão sempre pessoas com livros como se fossem filhos. Os livros sentam-se no colo, a pessoa está ali mas não está ali. É aqui que a minha curiosidade extravasa. Seja homem ou mulher, … Continuar a ler

Publicado em livros, Sem categoria | Etiquetas , , | Publicar um comentário

Da música

Onde há música há alegria. Mas não é tanto assim, quando a melodia sai dos ouvidos de qualquer um no metro. Seja manhã, tarde ou noite, há gente e gente com phones enfiados nos ouvidos, a tentar ser invisível ao … Continuar a ler

Publicado em música, Sem categoria | Etiquetas , , , | Publicar um comentário

Dos tacões

ela entrou no metro aos tropeções. primeiro tropeçou num tacão. depois o outro falhou. mesmo à entrada do metro. mesmo à mercê da gargalhada alheia. a miúda com cara pintada de mulher devia ter uns 17 anos. de livros na … Continuar a ler

Publicado em coisas de mulher, Sem categoria | Etiquetas , , | Publicar um comentário